quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Thanksgiving

(foto por *jdarby*)


Hoje comemora-se o dia de Ação de Graças, nos Estado Unidos é a festa mais importante, reúnem a família para comer juntos e ter um tempo de gratidão. Na sequência vem o famoso Black Friday, coroando a festa da gratidão com o consumismo que é a marca dos tempos modernos.

No Brasil a data é comemorada mais pelas igrejas Cristãs reformadas de origem mais histórica, para o restante dos brasileiros fica a espera pela tão sonhada Black Friday, que tornou-se tradição no Brasil mas em geral os grandes descontos são puramente imaginários, pelo menos tem sido assim ao longo dos anos.

Mas voltando a festa da gratidão, o ano de 2015 foi um ano particularmente duro para a maior parte do povo Brasileiro, economia complicada, aumento do desemprego, escândalos cada vez maiores e piores na política, violência crescendo, desastres naturais que destruíram cidades, fechamento de escolas. E somando-se a tudo isso as dores e dificuldades vividas por cada família, por cada pessoa.

Frente a tudo isso, fica a pergunta, qual o motivo da Gratidão? Em tempos mais que difíceis ainda existe motivo para ser grato?

O Thanksgiving surgiu historicamente como agradecimento pela boa colheita, e pelo que pude entender ao longo da história a tradição seguiu mesmo em tempos de uma colheita não tão farta. O que nos traz a 2015, ano bem sofrido.

Sou grata, por tudo que tenho... O dom da vida, acordar todos os dias e poder seguir em frente. Pela família onde nasci, nem sempre tudo vai bem na família, ela nem sempre é tão estruturada quando poderíamos sonhar, mas continua sendo o lugar no qual Deus por alguma razão quis que tivéssemos laços de sangue.

Sou grata pela família que Deus me permitiu formar, hoje eu e meu marido, um dia com a graça de Deus seremos nós, nossos filhos, netos...

Sou grata pelos amigos e irmãos que encontrei ao longo do caminho, que muitas vezes me ajudaram e a quem muitas vezes tive o privilégio de ser benção e instrumento de Deus em suas vidas.

Sou grata por todas as vezes que pessoas de perto e de longe me estenderam a mão em auxílio e pelas muitas outras que pude estender a minha mão.

Sou grata por ter escutado a quem precisava em vários momentos, sou grata por ter tido a oportunidade de compartilhar momentos de alegria e tristeza com pessoas muito próximas e com outras nem tão próximas.

Sou grata por receber mais do que preciso e assim poder repartir com quem precisa.

Sou grata por ser usada por Deus seja em qualquer proporção ou situação.

E o mais importante sou grata a Deus pela Salvação em Cristo Jesus, que é a razão maior. Ele pagou na cruz com sangue precioso o preço pelo meu pecado.

Hino de gratidão
“Graças te dou por tudo que me deste,
Primeiro a Salvação em meu Jesus.
Graças te dou por tudo que fizeste
Por este pecador salvo na cruz!

Graças, graças, mil graças
A ti, meu Salvador!
Graças, graças, mil graças
Por teu precioso amor!

Eu te agradeço a bênção do trabalho
E do meu lar, que alegra o meu viver;
A correção paterna, quando falho,
Provando teu amor pelo meu ser.

Eu te agradeço o pão de cada dia,
A água que alivia a sede dura
E o sol que aquece a pobre gente fria:
São bênçãos que enchem a terra de fartura.

Eu te agradeço, ó Pai, os meus amigos,
E os inimigos também te agradeço.
E outras bênçãos que eu não mereço.
Sou grato por vitórias em perigos”

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Natal de Paz

(Foto de Bart)

Estamos nos aproximando do período de festividades de final de ano, e fiquei lembrando de como sempre gostei dessa época do ano, mesmo quando ela não foi tão feliz e festiva para mim.

Quando eu era criança ficava o ano todo esperando chegar o Natal, ano novo não tinha tanta importância naquele tempo, pelo menos para mim. Lembro da festa na casa do meu avô, sempre muita gente, casa cheia, comida, bebida, presentes. Eu sentia-me parte de algo realmente especial, o resto do ano era sempre tão solitário e diferente. Na casa dos meus pais nunca houve uma tradição de sentar-se à mesa juntos durante as refeições, muito menos de compartilhar o que se vivia ou os sonhos, para mim faltava sempre o sentimento de família que eu estava habituada a ver nos filmes. Mas no Natal, não, no Natal na casa antiga em frente à praça da igreja, nesse dia, a casa do meu avô cheia, era tudo que eu sempre sonhei como encontro de família. Desde muito pequena ficava muito animada esperando esse momento.

O tempo passou, meu avô se foi, depois minha avó, e o Natal nunca mais foi o mesmo. Tentei de alguma forma iniciar uma tradição na casa dos meus pais, consegui estabelecer um almoço no dia 25, todo ano acontece, cada ano com uma parte diferente da família, nunca se reuniram nem todos os meus irmãos ao mesmo tempo, isso por diversas razões, falta de interesse, desentendimentos, brigas, distanciamento, confusões da vida.... Nunca mais tive um Natal em família, como os da casa de meu avô.

Fiquei pensando, que muitas pessoas por várias razões, não tem ao menos uma boa lembrança, nunca tiveram uma família estruturada nem que seja no Natal. Vivem cercadas de problemas, de solidão, de miséria seja de recursos ou de alma, vivem em um mundo onde as luzes, os cânticos e os presentes de Natal nunca de fato existiram. São lendas, o bom velhinho nunca se deu ao trabalho de deixar o presente embaixo da árvore ou embaixo da cama. Ele também não passa de uma lenda que visita não as crianças boazinhas que se comportaram, mas as ricas ou as que os pais se esforçam muito para poder dar vida ao sonho de criança da noite de Natal, esse sim vão receber o presente do bom velhinho.

Nessa época do ano, aflora sentimento de solidariedade, mas também em algumas pessoas a certeza da solidão e do descaso vividos. Não falo apenas das pessoas abandonadas nas ruas, nos asilos, além dessas existem as abandonadas dentro do próprio lar, onde deveriam ser protegidos e amados, vivem em situação de abandono, violência, descaso, desamor...
O ser humano esqueceu-se de um dos mandamentos mais antigos, amar ao próximo. O mundo tornou-se um lugar frio, sem paz, as tragédias da vida são apenas mais uma notícia nos jornais. Mata-se por um telefone celular, a vida nunca foi tão sem valor. Os ricos cada vez mais ricos os pobres cada vez mais esquecidos.

Que nesse Natal, possa haver uma vez mais o renascer do sentimento de amor ao próximo, que possamos sentir a dor do próximo e isso nos mova para estender a mão a quem precisa, seja quem está no quarto ao lado, na casa ao lado, na cidade ao lado, embaixo da ponte mais próxima, no meio da tragédia de Mariana, nos ataques a Paris, nos massacres na África, ou nos bombardeios ao estado Islâmico. Paz na terra, paz em nosso lar, paz em nosso coração.

Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz…
…Imagine todas as pessoas
Partilhando todo o mundo” John Lennon

domingo, 23 de dezembro de 2012

Feliz Natal!!




Naquela noite, em berço humilde, veio ao mundo o Rei dos Reis, em forma de um frágil bebê... Não haviam mais vagas nas hospedarias da região, restou apenas a manjedoura, lá junto aos animais Maria deu a luz ao Salvador, Ele que é a Luz do mundo... 
Um coro de anjos veio anunciar o nascimento do menino, os pastores nos campos ficaram extasiados com tal noticia e foram logo ao encontro do menino Deus. 
Surgiu nos Céus um estrela de alto brilho, e ela pode guiar os magos do oriente, Sábios e estudiosos cruzaram desertos a fim de prestar culto ao Homem Deus, trouxeram ouro, mira e incenso, e ao verem o frágil bebê prostraram-se perante Ele....  
Esse fato que aconteceu a mais de 2.000 anos mudou o destino da humanidade, trouxe vida e salvação a todos que de coração aberto receberem a Jesus, como Senhor e Salvador, o Reis dos Reis nasceu lá em Belém e renasce dia após dia em nossos corações, trazendo vida e paz.
Que o Natal faça renascer a esperança, a alegria e o amor em nossos corações.
Que o Natal seja muito mais que festas e presentes, mas que haja mudança genuína na vida de cada um de nós, e que o amor vença!
Que o Natal seja momento, de perdão, reconciliação, cuidado com os de perto e de longe.
Que o Natal traga o desejo de valorizar acima de tudo a vida, de ajudar aos que menos ou nada tem.

Que as luzes e a musica que enchem a terra nessa data, tragam a cada um de nós o desejo de lembrar o verdadeiro sentido do Natal.

“E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo:
Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor.
E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura.
E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo:
Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.” (Lucas 2:10-14)

Feliz Natal!

domingo, 8 de abril de 2012

O QUE NINGUÉM VIU - Stênio Marcius


" Que triste espetáculo é esse?
Jesus agoniza suspenso no alto
Milhares de anjos em volta da cruz
Com espadas luzentes sem poder usá-las
Sufocam seu zêlo desabam no choro
Ao verem Jesus debaixo da ira
Da mão de justiça de seu próprio Pai

Eu vejo que os anjos caídos
Também se apresentam com ares ridentes
O príncipe deles se vê invencível
Com ares de festa celebra o tormento
Espera orgulhoso o exato momento
De um grito incontido de grande vitória
Que julga alcançada sobre o Filho de Deus

Ah, mas eu vejo que a cena mudou
De repente essa cruz se tornou
Carruagem de fogo a voar
E Jesus em triunfo arrastando inimigos no ar

Ah, amarrados expõe pelos céus
O inferno, a morte e os troféus
Despojou o valente e humilhou
Cativeiro em correntes de todos Ele é o Senhor!" Stênio Marcius
Eis que a Morte foi vencida, Jesus Ressuscitou e Vivo Está!
Feliz Pascoa!!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Contentamento

 (Foto by EnriqueRMG)


A sociedade moderna coloca um peso muito grande no “ser feliz”, “estar tudo bem”, ter, ganhar, comprar, comprar e comprar...
A mídia  mostra-nos incessantemente objetos que não precisamos, mas se não temos estamos fora do contexto.

 
Isso é muito cansativo... Outro dia ouvi uma reflexão muito interessante sobre o “tudo bem? “ aquela nossa expressão cultural de dizer oi sem muito compromisso. E no fim tudo, tudo mesmo... realmente é muita coisa pra estar bem. 

 
O engraçado é que nuca havia parado pra pensar nisso, essa expressão traz um peso muito grande, uma cobrança subliminar, dando a impressão de que realmente é possível estar tudo bem, e se com a gente não está, temos um problema.

 
Não tive nenhum momento em minha vida onde estivesse tudo bem, não falo isso com melancolia, ou depressivamente. Simplesmente é assim,  uma área da sua vida está totalmente resolvida , uma outra começa despencar.
Antes da mensagem do Claudio Manhães, eu sinceramente acreditava que só acontecia comigo e que pra todo o resto do universo realmente estava tudo certo... todo o resto do universo foi exagero, mas pelo menos meu vizinho, meu colega, meu primo, o ator da novela, o pop star, sei lá... pra alguém estava tudo certo.

 
Resolvi fazer um exercício, a começar pelos mais próximos pra entender se realmente fazia sentido o que ouvi na reflexão, e verdadeiramente eu não era a única a ter sempre algum probleminha a me incomodar. Olhar a minha volta, se você nunca fez isso eu o convido a fazer. Não  se trata de torcer pelo mal alheio, mas apenas constatar que a vida é complicada pra todo mundo, e aí eu vou generalizar, todo mundo mesmo. Uns mais outros menos, mas tudo mundo tem problemas.

 
A idéia aqui não é te deprimir, fique tranquilo, muito pelo contrário. A idéia é basicamente tirar o peso, a obrigação de ser feliz a todo custo. E substituir essa perspectiva por ser contente. Contentamento, independente daquele, ou daqueles probleminhas que insistem  em aparecer. 

Vamos ignorar os problemas agora? Não... Essa não é a idéia, mas pense bem, tem alguma coisa na sua vida que vai bem, e você, eu, nós... estamos deixando de aproveitar porque ainda tem algo a ser resolvido em outra área, ai insistimos tanto em resolver , e vai que por azar conseguimos, mas aí deixamos de aproveitar o que estava bom, e gastamos tanta energia pra consertar isso que agora nem é tão legal assim mais. E surpresa, tem mais alguma coisa despencando na nossa vida. E assim segue o ciclo....
 
Precisamos parar de tentar estar bem em todas as áreas e realmente aproveitar o que no momento está bem. Estar bem a pesar do “e se...”
Isso facilita muito seguir em frente, viver cada momento, aproveitar cada fase. Mas e o resto? Bem o resto, vez ou outra irá se resolver, e se isso não acontecer você não aplicou todas as energias em deixar tudo perfeito mas sim, aproveitou os bons momentos que eram possíveis de serem desfrutados. Isso deixa-nos mais leves, sem aquela pressão social de ser feliz a qualquer custo, simplesmente aproveite o que tem nas mãos.
Seja livre pra viver intensamente o presente, com contentamento, sem tantos lamentos, aproveitando cada momento. Tenha uma vida mais leve, sem tantas cobranças, resumindo Carpe Diem!


"...Porque a vida não é certa... Nada aqui é certo. O que é
certo mesmo é que temos que viver cada momento, cada segundo, amando,
sorrindo, chorando, emocionando, pensando, agindo, querendo,
conseguindo...Quando a gente acha que encontrou todas as respostas, vem a
vida e muda todas as perguntas." Veríssimo

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Ventos de mudanças...

(foto by BlueLily  Arlene)

Interessante como em certos momentos específicos da vida tornamo-nos mais sensíveis. Nos emocionamos ou sentimos saudades do presente, do passado, do futuro... e algumas vezes até mesmo do que não vivemos.
Sabe aqueles sonhos inacabados? Planos frustrados, que chegaram bem longe do planejado, sonhos de criança que hoje parecem tão ingênuos e pueris, mas mesmo assim ainda hoje parece que poderiam ter acontecido em algum momento da vida.
Às vezes pego-me lembrado de momentos tão intensos, mas  que na verdade nunca aconteceram, e eles trazem uma saudade imensa como uma força maior do que algo que realmente vivi.
Não sei explicar muito bem, só posso dizer que especificamente nos últimos tempos tenho vivido frequentemente momentos assim.  
Pode ser que seja uma fase um pouco mais nostálgica, um momento de repensar algumas escolhas,  questionar outras... Ou de repente esteja mesmo acontecendo uma mudança na forma de ver o mundo, a vida. Os valores de ontem talvez já não sejam os mesmos de hoje, não sei bem especificar...
Provavelmente por isso mesmo, estive todo esse tempo sem publicar nada por aqui, não sabia bem o que dizer, agora estou tentando voltar, vamos ver no que dá.
Quando eu era criança/adolescente, acreditava que em certos momentos haviam os tais ventos de mudança, um instante, uma musica ouvida meio que inesperadamente, um sinal, que era o prenuncio de alguma mudança significativa, novos rumos. Um momento mágico capaz de mudar o decurso dos próximos dias, meses, anos... De repente não mais que de repente tudo tinha um novo sentido, novo mesmo.
Sempre acreditei que existe um propósito para todas as coisas, e nesses tais momentos que descrevi acima parecia-me que algumas coisas incompreendidas passavam a fazer sentido, visto o novo rumo que as coisas tomavam.
Muita viagem... Mas o fato é que estamos o tempo todo procurando sentido pra tudo, momentos difíceis, algumas coisas que acontecem sem apresentar muita razão de ser, escolhas que levam-nos a um caminho inesperado, dúvidas de como seria se tivesse optado por outro caminho em um determinado momento.
Tudo isso, acredito eu, seja a dança da vida moderna, a vida ficou muito dinâmica de repente e agora à velocidade da luz, em um piscar de olhos tudo que estava certo desmorona, da mesma forma que tudo que estava em cacos faz sentido, e te norteia a um novo começo...



"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Pessoa


sábado, 19 de março de 2011

Labirintos da vida....


(Photos taken by (C)mkyg)
 
A vida é interessante... cheia de momentos que muitas vezes temos dificuldades em viver ou aceitar, acho que mais viver do que aceitar. Aceitar nem sempre significa seguir em frente, algumas vezes aceitar apenas paralisa-nos.
Bem, vamos seguir com o viver...

Temos uma tendência a acreditar que algumas coisas, alguns sentimentos, alguns momentos devem ser evitados, talvez porque tenhamos ouvido desde sempre que existem sentimentos que não são nobres, ou que homem/mulher não chora... Sei lá, pode ser muita coisa, desde fruto da educação ou do meio, como  apenas  minhocas de nossa cabeça. Não importa muito a origem, o fato é que isso tudo não é de maneira alguma benéfico.

Deixar de viver um momento, ou de expressa um sentimento definitivamente não nos torna seres humanos “melhores”, isso não passa de uma mentira que um dia contaram-nos. E isso contribuiu para fugirmos de muitas coisas na vida.

Toda essa confusão, vez ou outra, coloca-nos frente a um labirinto... Dá medo entrar e mais medo ainda de sair. Permita-me explicar melhor. Tem certos momentos que a única coisa que podemos fazer é chorar, e adentrar o labirinto seria sentar e chorar até a última lágrima, o risco é perder-se nesse momento e achar que nada mais vale a pena, deliberadamente nunca mais voltar a sorrir,  isso seria permanecer no labirinto. “O choro pode durar uma noite toda, mas a alegria vem ao amanhecer.” E essa “noite” pode durar horas, dias, meses, anos... O Tempo que for necessário, mas lembre-se de deixar o dia amanhecer, não caia na tentação de permanecer na noite eterna. Tem muita vida pela frente. Quando chegar a última lágrima, deixe o sol entrar novamente e siga em frente. Não há mais tempo para lamentar-se ou olhar para traz.

Um labirinto polêmico, e pra muitos proibido é o do ódio. Reconheço que esse não é um dos melhores sentimentos, e que ele é por si só muito nocivo, mais pra quem odeia do que pra quem é odiado. Mas e se, digo e se.. Formos feridos de tal modo e com tal intensidade que por um momento não haja mais nada a fazer alem de odiar... Deixar de adentrar o labirinto escuro do ódio pode deixar escondida uma magoa que te impedirá de amar novamente. Paradoxo... Mas penso que, deve haver o tempo de deixar o coração expressar o que sente, e depois será fácil esquecer a mágoa, perdoar, e ter a chance de amar uma vez mais.

Há tempo para todas as coisas, todo tipo de labirinto... Tempo de concordar, tempo de discordar, tempo de construir e seguir em frente e também tempo de entender que o caminho estava errado e aí destruir tudo e seguir um novo caminho. Tempo de ajudar, tempo de ser ajudado. Tempo em que somos capazes de ouvir um amigo com problemas por horas, por dias, e tempo em que não temos mais forças pra ouvir ou ajudar, aí a saída inevitável é afastar-se de abraçar e de ouvir.
Há tempo de guardar algo como o bem mais precioso, algo sem o qual não poderíamos viver. Porém pode haver o tempo de termos de abrir mão, e entender que teremos que encontrar uma nova forma de viver sem ele, seja o que for, tempo de lançar fora....

Haverá o tempo de encontrar pedras pelo caminho, seja uma ou várias, por menores ou maiores que sejam, as pedras sempre representam obstáculos a serem superados, e superá-los nunca é tarefa fácil. Porém há de haver também, o tempo de juntar pedras e agora não mais como obstáculos, mas para fazer delas um castelo. Fortalecidos pelas pedras retiradas do caminho haverá uma nova vida em um castelo construído por nossas próprias mãos.

Todos os labirintos da vida, que em tempo haveremos de enfrentar, terão uma razão ou uma oportunidade. Por isso, precisamos mergulhar fundo e viver intensamente o momento, não podemos tentar evitar sentimentos ou momentos, isso tornaria inútil viver. Não digo também que devemos aceitar seja lá o que nos sobrevenha e permanecermos escondidos até que a tempestade passe. Pode ser que ela não passe e que tenhamos que sair com chuva, raios e trovões para encontrar o lugar onde o sol voltará a brilhar. Ter medo na adversidade impede que vivamos o momento e possamos seguir firmes.

E entenda, não estamos sós sejam nos momentos de alegrias ou de sofrimento e dor. Momentos de dúvidas ou de certezas, há sempre uma oportunidade para que sejamos fortalecidos mesmo na dificuldade. Basta aprender a contentar-se seja qual for o momento e fugir da autocomiseração.  Contentar-se nos capacitará a lutar, e seguir em frente rumo ao futuro e a um novo começo.

Somos por Ele fortalecidos, Aquele que tudo sabe, e tudo pode. Nos momentos bons e ruins que a vida ou nossas escolhas nos levam, Deus poderá agir mesmo na dificuldade, fortalecendo-nos para que haja um porvir melhor.

Aprender a viver contente em toda e qualquer situação, significa aprender a mergulhar fundo no que se vive , não fugir mas procurar viver cada situação, entrar em cada labirinto e por fim sair, mais fortes e prontos pra um futuro melhor. Aprender a viver contente não significa estar feliz seja qual for a situação, se o momento é de dor, sofrimento, lágrimas, ódio... Não há como estar feliz, sinta e viva até a última gota e estarás preparado para voltar a sorrir. O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi... basta ao dia o seu próprio mal... Viva intensamente o presente, só assim poderá haver um futuro promissor.

“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.” Ec 3:1

"Tudo posso naquele que me fortalece". Fp 4.13

sexta-feira, 11 de março de 2011

Certezas...


(Foto Por Diego Venâncio)

E quando somos confrontados em nossas certezas?
Algo que já está sedimentado,  não há dúvidas nem abertura a argumentações, até ouvimos opiniões adversas, mas ao final da discussão sua opinião sai inabalada, sabe como é?  


Tudo tão certo, tão certo, que já faz parte de nossa essência. Tem lugar de honra em nossa personalidade, imprimindo um toque forte e característico. Somos referências no assunto... 


Tudo certo, até que em um belo dia suas certezas deixam de estar certas e aquilo no qual você acreditou ou soube desde sempre cai por terra.
Falta-nos o chão aos pés, parece que tudo está rodando, algo muito certo perdeu o sentido de repente, não mais que de repente...


Vivi toda a vida fazendo dessa forma, conheço melhor que ninguém a função,  como nunca notei que na verdade nada está sob meu controle? Experiência não garante a certeza nem a invulnerabilidade.


Cedo ou tarde todos passamos por esse confronto e seja a primeira ou a última vez sempre é um processo sofrido. O Confronto traz dor, sofrimento e mudança.
Da fragilidade  nascerá a força e a consciência que por mais que conheçamos algo, na verdade não sabemos de nada, pelo simples fato de que não depende de nós, nossa vida não está inteiramente sob nosso controle, arrisco a dizer que não está nada sob nosso controle... 


Por mais que hajam planejamentos, cálculos, projetos, métodos, nada disso garante o resultado esperado, e vez ou outra a vida toma um rumo totalmente inesperado, e aí haja replanejamento.... Até nos recuperarmos do tombo, a vida vai seguindo o rumo traçado por Ele, que sabe todas as coisas, apesar de nossas tão preciosas certezas. Nossas certezas até podem nos levar a dar voltas e mais voltas, mas cedo ou tarde chegaremos ao porto, seja ele o nosso ou o Dele, seja ele o dentro do nosso plano inicial ou que respeite a um plano maior. Não importa, Deus está no controle, e é melhor que esteja. Pois nós, vemos apenas o que está a nossa volta, Ele vê a imagem completa. Somos tão somente pequeninos grãos de areia perdidos na imensidão do universo, um barco à deriva... 

Por mais que vivamos o confronto não aprendemos e voltamos a acreditar que estamos no controle, e daqui a pouco tudo recomeça... No fim aprendemos a lição, apenas até a próxima oportunidade...

É preciso entender nas mãos de quem realmente está o controle!!

“O que fizeste das minhas certezas, do que eu pensava ser?

Percebo agora que não passo de um pequeno barco à deriva” Stênio Marcius

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Além da janela...



 (Foto Por SolarScot)

Outro dia São Paulo amanheceu coberto por uma neblina densa, acordei e como sempre, fui até a janela para ver o que me reservava o dia, frio, calor, sol, chuva... Quando olhei através da janela, o que vi foi nada, absolutamente nada, uma densa neblina que não permitia que eu visse alem da própria janela.
Estaria eu morando nas nuvens? Não, definitivamente não.
Saí de casa, meio apreensiva por não ver nada à minha frente, mas logo logo percebi que um pouco abaixo, na altura da calçada a neblina não era tão densa assim e era Possível seguir meu caminho tranquilamente.
 
Fiquei pensando, e se a vida fosse realmente menos planos e mais confiar e esperar? Só saber se dá pra seguir nesse ou naquele caminho quando lá chegássemos?  Fico tensa só de pensar, pra mim é complicado não ter as coisas muito bem planejadas e organizadas. O pior é que não era pra ser assim, confiança e não planejamento deveria nos direcionar,  mas...
 
Tem dias que parece que chegamos ao ponto final, ou seria o ponto de partida? Não sei ao certo, o fato é que parece que alguns fatos repetem-se, algumas situações voltam a acontecer, em outro momento, com outros personagens, mas a situação é igual àquela que vivemos lá atrás, o pior é pensar que ela ainda pode se repetir, não dá pra saber... O futuro a Deus pertence!
 
Lembrei de uma conversa engraçada, sabe quando uma criança faz uma daquelas perguntinhas que você nunca imaginou ouvir?  Acho que todo mundo passa por isso.
A perguntou foi... Quanto tempo tem a eternidade? milhões de dias? Respondi que não.
O menino não satisfeito insistiu em mais uma resposta. Já sei então, são todos os milhões de dias. Respondi que não.
Dessa vez ele esperou por minha resposta, ele já não tinha mais o que responder.
Então pensei um pouco, e respondi que eternidade na verdade seria algo como nenhum milhão de dias. Ele ficou me olhando alguns segundos, sorriu e disse, você não sabe a resposta né? E elegeu uma das dele como verdade absoluta.
Como explicar para uma criança que eternidade é exatamente a ausência de tempo? Não consegui elaborar uma resposta pra convencer meu amiguinho. Paradoxos da existência...
 
Não andar ansioso pelo dia de amanhã, pelo que comer ou o que vestir, deveriam ser tarefas fáceis... Por que seria tão difícil?  Viver um dia de cada vez, sem perturbar-se pelo futuro ou distrair-se com o passado, como se o hoje fosse o único dia de sua vida. E na verdade ele é mesmo... Não dá pra saber o que revela o dia de amanhã, nem dá pra mudar o dia de ontem...
 
O hoje seria um pedacinho do eterno, se o tempo não nos fosse tão importante, tão critico, a ponto de impedir que vivamos do agora. É tão mais fácil viver do amanhã, do que serei, do que terei, de onde estarei, é tanta possibilidade que deixamos de lado o concreto, o agora. E deixar o agora pra depois não é nada sábio... depois não será mais agora, e a oportunidade terá passado... Aliás nem dá pra saber se haverá depois.
 
Já pensou que aquelas historias repetidas possam ser pra te mostrar que você não estava atento a vivenciar o que deveria, ou deixou de lado por uma outra prioridade, o tal planejamento do futuro? Não sei dizer se é essa a razão de termos momentos onde parece que a vida deu uma volta e te deixou de novo no mesmo lugar. Mas e se for essa uma das razões? Melhor estar atento dessa vez.
 
Viver verdadeiramente em confiança, mesmo quando nada se vê além da janela. Deixar de viajar tanto com o futuro que tem infinitas possibilidades. Manter o passado no seu devido lugar, aproveitando a experiência é claro, mas sem acreditar que sua vida parou por lá. Manter olhos bem abertos para viver o que o presente te reserva, ser útil no lugar e momento que estamos. Amar a quem está próximo, cuidar, servir onde sua presença se faz necessária nesse momento. Ser próximo...
E entenda, nossa vida é efêmera. Se não for pelo cuidado do Eterno nada somos, nada temos.



“Não quero que o tempo pare nem passe, 

Não quer o tempo, 

Quero a eternidade.” Silvia Mendonça

domingo, 9 de janeiro de 2011

Quem é o Meu Próximo? - Por Silvestre Kuhlmann


(Foto Por Murianne)



"Olha o homem no chão,
Roubado, meio morto
Quem terá compaixão,
Será amparo e porto?

Lá vem o sacerdote
Pelo mesmo caminho,
É certo que devote
Cuidados e carinho.

Mas ele passa ao largo
Prossegue para igreja
E lá cumpre seu cargo
E diz: “Louvado seja!”

Olha o homem no chão,
Roubado, meio morto
Quem terá compaixão,
Será amparo e porto?

Decerto o levita
Que desce e o vê também
Mas prossegue e o evita
Nem o fita. “Amém!”

Mas o samaritano
Que vinha de viagem
Tido por desumano
Levou-o à estalagem

Não pensa em perda e dano
E dá do seu dinheiro
E resume seu plano:
“O custo pago inteiro”

E ensina: “O meu próximo
Quem é? É todo aquele
De quem me aproximo.”
Pois o amor lhe impele."

Silvestre Kuhlmann

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

E mais um ano se inicia.....


(Foto de Diego Venancio)





É interessante ver que a cada fim de ano e o consequente início do próximo, as pessoas param para fazer o balanço do último ano, e escrever as famigeradas resoluções de ano novo.... Nada contra, todo mundo faz igual nessa época do ano, é o mover do ciclo, o esperar por algo melhor no próximo ano e assim vai.

Nesses primeiros dias do ano entrei numa fazer bem reflexiva, talvez por entender que tem muita coisa na minha vida que não me agrada, nem sei dizer se está bom ou ruim de fato, o que acontece é que provavelmente não está da forma como deveria.

Ano após ano fazemos propósito a serem cumprido a curto prazo, um ano pra ser mais exato, e é sempre frustrante reler a listinha no final do período e notar que está quase tudo lá, nada foi cumprido, ou quase nada.

Esse ano resolvi fazer um pouco diferente, não criei listinha de resolução que basicamente tem sido a mesma nos últimos anos, não cumpri muito dela em cada ano, aliás não cumpri quase nada, e isso tem sido tão frustrante que decidi fazer diferente.

Não digo que não tenho planos, nem sonhos esperados para 2011, isso seria deixar de viver, afinal sem sonhos a caminhada tornar-se-ia insuportável...

O fato é que decidi, não criar um peso pra mim, um peso que ao final de cada ano tem se refletido em frustração... To entendendo que quando o planejamento torna-se uma obrigação, mais que mudar minha vida ou me tornar uma pessoa melhor isso só me faz mal mesmo.

Decidi então por fim, depois de uma semana de intensa reflexão... Decidi que serei mais leve esse ano, seja comigo ou com os com quem convivo. Levar a vida a sério demais cansa, então vamos viver um dia de cada vez, e aproveitar o que vier. Sem lamentos pelo que não aconteceu, seja ainda ou seja pra nunca mais. Não deve fazer diferença, o importante é o que chegou, esse deve ser aproveitado de fato, o restante, bem o restante fica pra um outro dia, um novo dia, amanhã quem sabe...

Viver na dependência, não minha obviamente pois sei que minhas escolhas têm a tendência surpreendente de se tornarem péssimas escolhas, Deus sabe o melhor... Isso não significa que ficarei no meu cantinho sentadinha, mas que sempre que seguir um caminho, não terei medo de dar meia volta se descobrir que não ta indo bem... Que sempre que eu errar, vou entender que é parte da vida, não me culparei, mas reconhecerei o erro... é errei mesmo, vamos tentar fazer melhor. E reconhecendo pedirei perdão, seja a Deus, a mim mesma ou a quem mais for influenciado pelo erro, até que por fim todos já tenham ouvido. Aí sim, sigo de novo meu caminho, sem receio. E errando recomeço o processo, os erros fazem parte da existência, do aprendizado, não seria eu a única pessoa do universo imune a eles...

Amigos, esses seres tão complexos que nos cercam, estão lá nas alegrias, nos momentos difíceis e na hora de falar umas verdades, é e eles falam mesmo... Estive um pouco longe deles no ano que passou, parte de um processo que já fechei e que foi importantíssimo pra que eu me conhecesse melhor.

Nesse ano quero ser próxima, de verdade. Amigos são preciosos demais para serem deixados pra depois... Afinal a amizade leva tempo pra se consolidar e é tão rápido para esfriar... Quero viver sem a distância que enfraquece os vínculos.

Enfim, me comprometo a ter um ano diferente. Valorizando o que realmente importa, sem muita cobrança, sem muita busca pela perfeição ou por não errar, sem tanto “correr atas do vento”... E se assim o for, serei ao final do ano de 2011 uma pessoa melhor, mais próxima, e mais feliz comigo mesma. Viverei pois o presente…

Feliz Ano novo a todos!

“O presente é o ponto em que o tempo se encontra com a eternidade.” CSLewis

As Crônicas de Nárnia - Canção do Eustáquio (Ron Alon)


Canção do Eustáquio

"Sozinho na escuridão
não encontro uma saída
só Você pode me ajudar
a sair deste lugar

E me libertar
da forma que estou
e me mostrar
como devo viver

Grato sou a Ti
que mudou a minha vida
de verdade te conheci
e agora eu só sei que

A esperança existe
quando tudo está perdido
sou um novo ser
agora que está comigo." Ron Alon

domingo, 19 de dezembro de 2010

Natal....


(Foto de
Lidi Faria)


Eis que surge no Céu uma estrela que guia magos do oriente, um coro celestial traz o anuncio aos pastores nos campos e a profecia se cumpre. Nasceu em Belém Jesus, o messias prometido, o Rei dos Reis! Deus em um gesto de amor supremo se fez homem e veio entre nós habitar!
Como estava escrito no livro do profeta Isaías... “O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz.”

Estamos a uma semana do Natal, toda decoração da cidade e das casas já está posta, a Av. Paulista está mais deslumbrante que nunca, certamente é minha decoração de natal preferida em SP. A luz espalhada por todos os prédios refletindo nas ruas, trazendo encanto a todos que por ali passam. A magia do natal reflete na alma das pessoas que cruzam a avenida todos os dias...
Tudo muito lindo, cheio de musica e clima de festa. Infelizmente junto com toda beleza vem o apelo comercial, da compra de presentes, do consumismo nada necessário.

Isso me fez pensar em um fato importante, estamos rodeados de pessoas sem a menor condição de comemorar um natal nos moldes e padrões comercialmente mostrados na TV, como sendo a razão da existência dessa festa. Deus veio ao mundo e habitou entre nós e tudo que se mostra na TV é que precisamos comprar e comprar, o sentido do natal é gastar tudo que se pode e muito mais o que não se pode. Imagine as muitas famílias que vivem hoje com menos de 2 reais por dia, não tem condições de alimentar adequadamente os filhos e alem de tudo vão ter que explicar pra eles por que é que Papai Noel nunca leva presentes...

Fico imaginando como seria se todos resolvessem trocar os muitos presentes por um gesto de amor, bem simples, olhar para o lado enquanto passeia pela cidade. Dar-se conta de o quanto os excluídos estão tão perto, e lhes é negado o mínimo de dignidade. Os pequeninos estão tão próximos, é tão comum ver pessoas passando fome, vivendo nas ruas, implorando por comida ou ajuda. Essa cena ficou tão comum que passou a ser tratada por todos com indiferença, com a certeza de que problemas sociais não nos dizem respeito. Amar ao próximo, virou clichê, entender quem é o próximo tornou-se uma tarefa que exige tempo para olhar para o lado, tempo que nos foi roubado pelo egoísmo e indiferença nossa de cada dia. O mais complicado é que a indiferença nem sempre é apenas com os de longe, respeitar a vida começa em casa, com seu filho, seu pai, seu irmão, aquele parente que só faz bobagem...
Repartir o que se tem com quem nada tem... nem sempre é dinheiro, amor se reparte em um abraço, em oferecer um ombro amigo, ouvir, chorar junto... Investir tempo, mostrando assim que você realmente se importa. Claro que é também oferecer um prato de comida a quem tem fome, uma oportunidade a quem não tem saída, esperança a uma criança... Sorrir é o gesto mais simples capaz de mudar o mundo. Amar, sempre amar, ter o coração pronto a comover-se com a necessidade do outro, seja ele de dentro de sua casa ou da rua. Coração comprometido em favor da vida.

Lembre-se a mensagem maior de Jesus quando veio habitar entre nós, foi o amor ao próximo, ninguém é o fim em si mesmo. Alimenta a quem tem fome, abrace a quem precisa de consolo, divida com quem tem necessidades, entenda que a vida vale mais, muito mais!!

Feliz Natal a Todos!



Hino de Natal - Primeiro Natal

“Eis que um anjo proclamou o primeiro natal
A uns pobres pastores ao pé de Belém
Que nos campos a guardar seu rebanho, afinal,
Suportavam, da noite, o frio também.

Natal! Natal! Natal! Natal!
É vindo ao mundo o Rei Divinal!

De repente lá no céu, linda estrela surgiu,
E no oriente brilhou com estranho fulgor.
Veio à terra forte luz, que do céu lhe caiu,
Muitas noites, ainda, em fulgente esplendor.

Tal estrela apareceu e os magos guiou
Pela estrada a Belém, rumo certo os conduz.
E chegando ali, por fim, a estrela parou,
Mesmo acima da casa em que estava Jesus.

E os magos, com afã e sublime temor,
Os joelhos dobraram naquele lugar,
Para ofertas liberais, e de raro valor
Qual incenso, ouro e mirra, ao menino entregar.

E como eles, vimos nós com intenso fervor,
Dar louvores sinceros a quem nos amou;
Adorar de coração o Supremo Senhor
Que, morrendo na cruz, nossas almas salvou!

sábado, 4 de dezembro de 2010

Nárnia – O Peregrino da Alvorada


Hoje foi a Premiere Brasil do Peregrino da Alvorada, e resolvi escrever um pouco sobre minha ligação com Nárnia e o que achei do filme.... Não pretendo fazer uma resenha do filme, até porque o pessoa do http://narnianos.com/ já fez uma muito boa por sinal!!
Bem, quando eu era criança, bem criança mesmo acho que uns 4 ou 5 anos, lembro que tinha uma desenho em alguma emissora que não sei dizer qual era, mas o desenho era baseado em O leão a Feiticeira e o Guarda roupas, e esse foi sem duvida nenhuma meu primeiro contato com um mundo de fantasia, que me levava a viajar.... Depois que vi esse desenho pela primeira vez eu costumava me refugiar em Nárnia, muitas e muitas vezes encontrei a passagem do guarda roupas e me vi em Nárnia vivendo aventuras , obviamente em sonhos, mas mesmo em sonhos essa minha viagem a Nárnia mudou minha forma de ver o mundo, e despertou em mim a imaginação além do tempo e do espaço, a magia , a fantasia e a criatividade passaram a fazer parte da minha vida de uma forma muito intensa.
Mais tarde quando li pela primeira vez As crônicas de Nárnia, fiquei mais encantada ainda com o mundo descrito por Lewis de forma tão sublime... Lembro-me que estava de férias e que devorei o livro com as 7 crônicas em uma semana, e durante esse tempo mal falava com as pessoas, comia ou dormia, não podia me afastar daquele mundo fantástico que eu já conhecia de leve mas que agora estava inteiramente ao meu dispor, vivi verdadeiramente cada uma das aventuras descritas, me emocionava, sofria, me alegrava, eu estive verdadeiramente vivendo em Nárnia nessa semana, tudo mais era perda de tempo, e apenas me afastava das aventuras escondidas em cada página dos livros...
Nessas últimas semanas agora, estive vivendo a expectativa do lançamento de mais um filme baseado nas crônicas de Nárnia, O Peregrino da Alvorada. Já me acostumei com a palavra adaptação nas grandes produções baseadas em livros, foi-se o tempo em que eu sofria, mas entendi, se Tolkien e CSLewis entenderiam por que não eu?? Então já consigo ver os filmes sem esperar que seja tudo fiel ao que li.
Nos últimos dias especialmente, eu estava vivendo mais uma expectativa, ir à premiere, ver o filme antes do lançamento oficial. Vários dos meus amigos me questionaram, que diferença faria, ver antes ou depois do lançamento, que Lewis os perdoe eles não sabem o que dizem... Mas já entendi, apenas um Narniano genuíno poderia entender o quanto seria importante ter a oportunidade de ver o filme antes mesmo dele ser lançado, participar do evento de pré-estréia, sentir-se parte do processo.
Pois bem, consegui finalmente o tão sonhado convite para a premiere e lá fui eu hoje, às 10 da matina ver o filme aqui em Sampa. Imaginem a empolgação e ansiedade por chegar lá... Tudo estilizado, pôsteres do filme, o pessoal que nos recepcionava de camisetas do Peregrino, tudo muito bem preparado. Infelizmente tivemos um atraso de uns 40 minutos para o inicio do filme, enquanto isso dále pipoca , pra quem não sabe elas são ótimas pra TPF (tensão pré filme), santo remédio.
Finalmente a luz se apagou e teve inicio o tão esperado episodio das Crônicas de Nárnia, não demorou muito para começar a magia, e o quadro no quarto em que Lucia estava hospedada na casa do primo com Edmundo tornar-se o portal de passagem para Nárnia, foi emocionante vê-los surgirem no meio do oceano na frente da embarcação narniana O Peregrino da Alvorada, fantástico, começava ali mais uma aventura... Lucia, Edmundo, Caspian e Ripchip juntos uma vez mais e agora o chatinho do Eustáquio, alias chatinho é bondade. Eu também já estava com saudades de reencontrá-los. Para quem é fã inveterado de Lewis e leu algumas vezes as crônicas, certamente a aventura mostrada na grande tela foi bem mais rápida do que desejaríamos.
As viagens em busca dos Fidalgos de Nárnia, não seguiram exatamente a mesma sequência de peregrinação pela ilhas do livro, e houveram algumas invencionices que entendo como parte da adaptação obviamente. Algumas ilhas foram visitadas em seqüência inversa, algumas aventuras foram vividas em ilhas diferentes da narrativa do Lewis, alguns elementos foram criados. Entendo que a idéia foi de tornar a trama mais atrativa para aqueles que verão o filme. Mas em alguns momentos senti muita falta de vários elementos que trariam mais sentido à trama. Senti que muita coisa era jogada, sem que se mostrasse o sentido ou de onde veio. Eu que tava lá com tudo que li fresquinho na cabeça, claro que como boa narniana reli o Peregrino da Alvorada antes da estréia, não dava para correr o risco de deixar passar algum detalhe...
Bem, tudo que estou relatando aqui não significa que não gostei do filme, muito pelo contrário, a produção é fantástica, os efeitos são muito bem elaborados e no contexto geral vale muitíssimo a pena ir ao cinema ver o filme. Tanto é que assim que estrear na próxima semana irei com certeza mais uma vez assistir ao Peregrino da Alvorada.....
Toda a aventura vivida vale ser vista com toda atenção , e não vou descrever tudo que se passa até porque como já afirmei não tenho a idéia de fazer uma resenha e sim dar minha impressão de como foi o filme.
Mas gostaria de falar um pouco do final, emocionante. Como comentei na pagina dos Narnianos, difícil não chegar às lágrima com o final. Retrata de forma quase fiel o descrito por Lewis nas paginas das Crônicas, e na minha opinião é o papo mais emocionante de todas as crônicas, entre os filhos de Adão e Aslam.
A criação desse momento foi caprichadíssima pelos produtores do filme, tudo perfeito. Emoção e magia pura!
Resumindo... Não percam a oportunidade de assistir ao Peregrino da Alvorada, vale muito a pena! Presentaço de fim de ano!!


E para finalizar as ultimas palavras de Aslam no livro, quando Lucia e Edmundo perguntam se ele está também no mundo deles:

"- Estou. Mas tenho outro nome. Têm de aprender a conhecer-me por esse nome. Foi por isso que os levei a Nárnia, para que, conhecendo-me um pouco, venham a conhecer-me melhor."

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Outra vez Natal


Como ainda não tive tempo de escrever algo sobre o Natal deste ano, vou publicar um texto antigo que escrevi em 2007, para que já comece a entrar no clima, o novinho virá em dezembro aguardem...

----------------------
Outra vez Natal

Chegou uma vez mais o Natal eu estava aqui pensando, entre tentar dormir e pensar resolvi pensar, é muito cedo para dormir ainda. Pensar no que se tornou o Natal, e daí surgiram algumas idéias que resolvi registrar e quem sabe compartilhar com alguém.
A verdade é que há tempos o verdadeiro significado do Natal perdeu-se, e o consumismo e a mídia tomou seu lugar.
A cidade está lindíssima, luzes e música invadem todos os cantos.
Nos shoppings encontramos vários Natais diferentes, Temos o Papai Noel, o Mickey, o Shrek, o Quebra Nozes, os personagens mais variados da Disney e da Pixar, e até um dinossauro roxo, que uma criança de 5 anos ao meu lado me comentou que era um tal de Barney (esse foi o mais bizarro). Tudo isso é Natal, será??
A imaginação das pessoas está cada vez melhor. Tudo isso traz mais cor, brilho e encanto ao Natal, há vários Natais um em cada parte da cidade, você escolhe o que prefere.
Mas fiquei imaginado, de onde vem tudo isso? Vamos do principio, Papai Noel. No século IV um arcebispo chamado Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. A lenda do velinho que viajava o mundo em um trenó mágico veio bem mais tarde em 1822, devido a um poema intitulado "Uma visita de São Nicolau". Depois disso várias coisas foram se juntando a ele de várias partes do mundo e Papai Noel é o que conhecemos hoje. O bom velinho faz a alegria de grandes comerciantes e a tristeza dos bolsos dos pais de todo o mundo. A boa intenção do Senhor Nicolau, tornou-se apenas uma desculpa comercial. Bem, esse ainda não é o significado do Natal.
A árvore de natal provavelmente surgiu em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele utilizou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.
O Shrek, a Minnie, o restante dos personagens da Disney e da Pixar e esse tal de Barney, nunca tiveram nada a ver com o natal, mas estão aí para enfeitarem a cidade além de ajudarem a vender e a incentivar as crianças de todas as idades a deixarem os pais doidos tentando satisfazer aos pequenos consumistas.
Mas e aí, continua a dúvida, onde foi parar o Natal, aquele de verdade, alguém lembra??
Pois é, a cerca de 2000 anos atrás Deus se fez homem, e em uma noite gloriosa nasceu de uma mulher (favorecida entre todas as mulheres), um pequeno bebezinho. Esse era o Natal, Jesus Cristo, o Filho de Deus vinha ao mundo.
Naquela noite, um coro celestial apareceu aos pobres pastores para render Glórias e Louvores ao Filho de Deus.
Alguém já viu um anjo? Não aqueles de Michelangelo, mas um anjo de verdade, criatura celestial. Pois é, eu nunca vi, mas naquela noite vieram muitos e formaram um coro para saudar ao Rei dos reis que nascia numa estrebaria.
Além dos anjos, surgiu no Céu uma estrela de brilho singular, e parou no céu logo acima de onde estava Jesus, para mostrar onde nascera o Rei, essa estrela guiou Magos, que vieram do oriente oferecer presentes ao Rei dos reis:
- Ouro (tributo ofertado a um Rei)
- Incenso (o incenso é usado nos divinos ofícios, tributo a um Deus)
- Mirra (tributo a um homem, a Mirra era usada junto com óleos para ungir os mortos)
O presente simbólico dos Magos mostrava a natureza de Jesus, Rei supremo, Deus feito homem, para viver entre nós e morrer pelos nossos pecados, pagando o preço que a nós era devido, mas que por nós não poderia ser pago.
Os Magos, sábios do Oriente, vieram, prostraram-se perante Jesus e o Adoraram.
Isso é Natal!
Passei pela Av. Paulista essa semana, está espetacular, luzes e cores por todos os lados, tem até um prédio enfeitado com flores de Natal, não sei bem o que significa, mas ficou muito bonito. Tudo deslumbrante. Fiquei encantada com tamanha beleza, mas nada de Cristo, será que O esqueceram em meio aos enfeites antigos?
A cidade fica mais bonita no Natal, mais alegre, a música flui em todos os cantos. Nada de errado com isso. Mas quem se lembra ainda do Motivo do Natal?


”Porque um Menino nos nasceu, e um Filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o Seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaías 9:6)

domingo, 14 de novembro de 2010

Coração – Cláudio Manhães














"Quando se sabe
Que o que se tem não é seu
Quando se tem pra si
Que o que se sabe vem do Céu

Dispõe-se então de toda vida
Põe-se então a repartir com os seus
Brota agora o coração de Deus

Quando se entende
Que é para amar que nasceu
Quando se sente o
Quanto a dor do outro lhe doeu

Dispõe-se então de toda vida
Põe-se então a repartir com os seus
Brota agora o coração de Deus

Coração que adora ama
Coração que ama serve
Mutualidade
Reciprocidade
Diferente é o coração
A diferença é o coração. " Cláudio Manhães

domingo, 26 de setembro de 2010

O Bem Maior....



Outro dia vi uma notícia na internet que dizia que por duas garrafas de cerveja um pai tentou vender a filha de 3 meses de idade...
Estamos vivendo em um tempo de banalizarão total e absoluta da vida humana. Os próprios pais são capazes de vender, espancar, abusar e até matar os próprios filhos. Sempre acreditei que por mais que alguns pais tivessem uma dificuldade imensa em demonstrar amor pelos filhos, eles protegiam, educavam e cuidavam deles. Por mais que alguns pais inspirassem medo, ao encontrar-se em uma situação de risco as crianças sempre recorriam a eles, pois sabiam que eles sem a menor duvida as protegeriam.
Os tempos são maus, e a vida não tem nenhum valor. Mata-se por um cigarro, ou por menos que isso. E não são apenas os chamados “bandidos”, dentro da própria casa onde deveria haver segurança está o perigo. Pais matam filhos, filhos matam pais.
O ser humano tem cada vez mais tornado-se mais animal e menos humano. Isso me leva a pensar o que estaria acontecendo.
Talvez, a individualização, o cuidar-se de si mesmo, o cada um por si... Quando nos tornamos o centro de todas as coisas é difícil olhar para o lado e notar que existem pessoas a sofrer no mundo, algumas bem próximas de nós.
Interessante pensar que o lutar pela vida a qualquer custo estaria dominando as pessoas de um tempo pra cá, de uma forma tão forte que lemos todos os dias noticias absurdas como as que mencionei no inicio do texto.
Ver na TV uma criança morrendo por não ter o que comer não é uma cena tão chocante como era a tempos. E pior que isso, saber que seu vizinho não tem leite para dar ao filho e não se incomodar ao ponto de deixar a TV e a internet de lado por alguns minutos, atravessar o corredor e oferecer ajuda. Não tenho tempo para me preocupar com mais nada, minha vida já me consome o bastante... Talvez seja esse o pensamento que ocupe nossa mente a maior parte do tempo, ou sempre que cruzamos com alguém próximo ou distante que precisa de algum tipo de ajuda. Nem sempre essa ajuda inclui dinheiro, algumas vezes é apenas doar uma parte do seu tempo, ou ouvir ou ajudar a levar o fardo. Exercer o amor de forma simples e corriqueira tornou-se algo tão distante da realidade da sociedade moderna...
O Amor é a lei maior, é preciso olhar para o lado, seja dentro de sua própria casa ou na calçada ao lado, onde todos os dias vemos frutos do egoísmo humano, da busca gananciosa por cada vez mais e como conseqüência trazendo miséria aos menos favorecidos.
Fala-se tanto em igualdade social, em distribuição igualitária de recursos, sustentabilidade, mas no fim cada um está preocupado com seu mundinho. Esquecemo-nos de que sem dedicar amor ao que vive ao seu redor o que vamos ver com cada vez mais frequência é a violência, a fome, o desamor e a morte.
Acordar para um novo tempo é preciso, lutar pelos direitos dos outros mais do que pelos seus , demonstrar amor nos gestos mais simples, amor pelo ser humano e amor pela natureza. Isso seria sim capaz de tornar o mundo um lugar mais digno de se viver, um lugar mais parecido com um lar. Onde teremos alegria em compartilhar um pouco do que se tem com aqueles que nada tem, compartilhar com amor.
Ver alem de nós mesmos, do nosso querer viver bem sem importar o que estiver a volta. Amar ao próximo como a si mesmo... Acho que paramos na primeira parte da lei, aprendemos a nos amar verdadeiramente a despeito do próximo. Resta agora, enquanto ainda ha tempo, amar ao próximo e lutar assim para ter uma sociedade mais justa e igualitária, só assim viveremos com paz.


“Love is a temple, love a higher law
Love is a temple, love the higher law
.....
One love, one blood
One life you got to do what you should.
One life with each other: sisters, brothers.
One life, but we're not the same.
We get to carry each other, carry each other.
One love! One!” - Bono Vox

Futuro do Pretérito - Ariovaldo Ramos

(Foto de Muadh N M)











"Foi tarde e manhã: primeiro dia!

É Deus no sentido antiorário!
É Deus me dizendo: é o contrário!
Seu socorro já veio. Você não via?

É.. Jesus nos disse que a luz viaja:
Sai do oriente pro ocidente.
Para o que aparece pra gente...
do passado que a gente diz haja!

Se a luz viajou, tudo é passado...
e tudo o que se vê, já foi visto
antes. Einstein tem o seu mérito!

E Deus sabe tudo, pois foi vistado
E se foi! Como nos disse o Cristo!
Só virá o futuro do pretérito!
" - Ariovaldo Ramos

sábado, 21 de agosto de 2010

VIVO - Lenine/Carlos Rennó


(foto de Steve Bailey)

"Precário, provisório, perecível;

Falível, transitório, transitivo;

Efêmero, fugaz e passageiro

Eis aqui um vivo, eis aqui um vivo!

Impuro, imperfeito, impermanente;

Incerto, incompleto, inconstante;

Instável, variável, defectivo

Eis aqui um vivo, eis aqui...

E apesar...

Do tráfico, do tráfego equívoco;

Do tóxico, do trânsito nocivo;

Da droga, do indigesto digestivo;

Do câncer vil, do servo e do servil;

Da mente o mal doente coletivo;

Do sangue o mal do soro positivo;

E apesar dessas e outras...

O vivo afirma firme afirmativo
O que mais vale a pena é estar vivo!

É estar vivo

Vivo

É estar vivo

Não feito, não perfeito, não completo;

Não satisfeito nunca, não contente;

Não acabado, não definitivo

Eis aqui um vivo, eis-me aqui." Lenine/Carlos Rennó

sábado, 7 de agosto de 2010

As voltas que a vida dá...









Certa vez estava trabalhando em um evento, na época fazia parte de um grupo de teatro e nesse evento haviam vários grupos apresentando-se. Em um dos intervalos do meu grupo comecei a assistir a apresentação de um dos outros grupos. Me perdi no tempo viajando na história, que de forma resumida contava a historia de um Jovem que encontrou um grupo de pessoas e passou a integrá-lo sem saber bem quem eram e se podia confiar, eles apareciam vestidos com vestes coloridas para passar alegria, confiança e o bem. Quando o jovem se entregou completamente, passou a acreditar que podia confiar com a própria vida nos novos amigos, o cenário muda e eles tiram as vestes coloridas e mostram as vestes negras, mostrando ao jovem que só queriam a confiança dele e que agora ele passava a ser prisioneiro. No fim tudo termina bem e o jovem é resgatado. Isso aconteceu a quase vinte anos, e essa apresentação nunca me saiu da mente.
Resolvi refletir um pouco sobre essa lembrança que é tão viva e constante, e conclui que vivi a situação representada diversas vezes na vida, em vários aspectos. Confiar em quem não deveria, acreditar que podia contar com alguém e depois me ver só quando a situação se complicava, e os envolvidos nas circunstâncias simplesmente vestiam-se de negro e mostravam que faziam parte da conspiração. Obviamente estou potencializando os fatos por mim vividos para aproximá-los da apresentação. O fato é que da mesma forma como o jovem não via nenhuma saída e de repente por um tipo de milagre tudo ficava bem e ele era resgatado do mal, sempre aconteceu o mesmo comigo. Tudo termina bem, independente de o quanto demore pra passar ou do quanto pareça interminável e insuportável enquanto é vivido. No fim Deus estende a mão e a vida recomeça.
Renascemos das cinzas tal qual a Fênix. E mais uma vez temos forças, motivação, alegria e sonhos para seguir. De volta em volta a vida vai seguindo...
Difícil saber quando a fase boa termina e vem a má, mais difícil ainda saber quando termina a má e vem a boa, a noite se faz dia novamente e o florescer da primavera te restaura as forças.
O importante nesse vai e vem, que no fim é uma caminhada pra frente sempre, rumo a um futuro um tanto quanto incerto. O importante é acreditar que viver vale a pena e que os sonhos são a chave para caminhar sempre sem parar ou olhar para trás, o que nos espera é o futuro, nunca o passado.
Voltar ao passado é evitar que a vida siga o rumo certeiro, é atrasar o destino que precisa ser encontrado.
Rumo ao futuro sempre, mas o foco, esse precisa estar no presente. Não se vive o futuro sem passar pelo presente, e esse está aqui na minha e na sua frente. É fácil tocá-lo. Os outros, futuro ou passado, esses são agora intangíveis. Deixe que o tempo se encarregue deles, o que passou passou o que está por vir virá no tempo apropriado.
Procure viver as voltas na vida de forma otimista, com esperança e crendo que o porvir trará alegrias que vez ou outra serão interrompidas por dificuldades isso é fato, mas que podem ser superadas, com maturidade e sabedoria adquiridas no decorrer da caminhada.
Sonhe sempre com um futuro melhor e viva um presente com foco nas coisas positivas, sempre respeitando os que estão a sua volta e a si mesmo. Tente abstrair do lado ruim de tudo que se vive potencializando o aprendizado que te dará ferramentas para um futuro melhor.

"O que vale na vida não é o ponto de partida e sim a caminhada. Caminhando e semeando, no fim terás o que colher" Cora Coralina